“Cada pessoa tem a sua historia. - Cada pessoa tem uma familia. - Cada familia tem origems. - Você não é apenas o que você imagina que é!"


quinta-feira, 4 de agosto de 2011

PAES DE BARROS tambem descendentes do pharao egípcio Tutancâmon?


"O primeiro brasileiro consciente de si foi, talvez, o mameluco, esse brasilíndio mestiço na carne e no espírito, que não podendo identificar-se com os que foram seus ancestrais americanos – que ele desprezava –, nem com os europeus – que o desprezavam –, e sendo objeto de mofa dos reinóis e dos luso-nativos, via-se condenado à pretensão de ser o que não era nem existia: o brasileiro. (Darcy Ribeiro 1995:128)" 
lido no Blog: os Silva-Lemes de Bruges



O  sangue base dos PAES DE BARROS, vindo da Portugal, já era uma mistura de diferentes grupos étnicos como os celtas, povo que deu origem a Irlanda, os gregos e romanos, os moriscos, os barbaros e tribos germânicas como visigodos e suevos, os árabes e  judeus, os Iberos e com eles tambem os bascos. 
A história de Portugal como nação, remonta ao ano 1140 d.C., altura em que, após nove anos de revolta contra o Rei de Leão e Castela, Dom Afonso Henriques se auto-proclama rei de Portugal. O seu filho, Dom Afonso I e os seus sucessores, continuaram a expandir o território para sul, conquistando-o aos mouros.
Eles têm todos contribuido a preparar a grande "salada racial brasileira" 
 
O que não é todo:Os Bandeirantes, que já tiveram uma mistura étnica dos grupos acima referidos em seu sangue, têm aromatizado a salada jà preparada, primeiro com o sangue dos indios do Tupiniquim, como no nosso caso, a filha de Piquerobi, Mécia Assu,que apesar de ter sido batizada como Mécia Fernandes era mais conhecida na vila pelo apelido tupi que significa Mécia grande. Ela era assim chamada, primeiro por ser descendente de índios e depois pelo seu tamanho, com certeza maior do que as demais mulheres da aldeia devido a sua ascendência européia por parte de pai. Ela foi esposa de Salvador Pires de Medeiro  e ambos foram ancestrais de Lucia Leme, mulher de um dos nossos patriarcas Pedro Vaz de Barros. Em segundo eles têm seu sangue misturado com o de escravos negros da África.
Pedro Vaz de Barros mesmo talvez tem origem judaica.
 
Uma nova pesquisa do Instituto de Genealogia na Suíça,  iGENEA com sede em Zurique, com a análise de DNA mostram que metade de ascendência suíça e  europea são descendentes do pharao egípcio Tutancâmon.

iGENEA tem tido sucesso a reconstruir (usando uma gravação do Discovery Channel) o perfil de DNA Y- de Tutankhamon, de Akhenaton o seu pai, e do seu avô, Amenhotep III.
 
O resultado é surpreendente:
Tutankhamun pertence ao haplogrupo R1b1a2 ao que na Europa Ocidental são agora mais de 50% de todos os homens.
 
O haplogrupo R1b1a2 originou cerca de 9.500 anos na região em torno do Mar Negro. A imigração desse grupo para a Europa com a maior brevidade, vem com a expansão da agricultura a partir de 7000 aC. Provavelmente hà um forte relacionamento com os indo-europeus, que espalham um pouco mais tarde para a Europa em várias ondas.

No Egito, este grupo já responde por menos de 1% e é certo para levar a algumas imigração européia durante os últimos 2.000 anos atrás.

Se todo isso é verdade, isso referia-se não só à mim, que tenho o pai suíço e uma bisavó-Áustria-Hungara , mas também à todos os ancestrais dos Paes de Barros e naturalmente seus descendentes.